web analytics
 
   

 

Anterior  

Pro Rad – Programa Radical
Matéria: Mirlene Picin
Fotos: Mirlene Picin e Nilton Valente - Vejam as fotos clicando aqui

 

Nos dias 5 e 6 de Maio de 2006, o ginásio do Ibirapuera em São Paulo foi palco da estréia do Pro Rad. O programa, que é uma parceria da Rede Globo e da SportTV, e contou com o patrocínio da Gatorade, Halls, e Chicletes, será realizado em três finais de semana e apresenta modalidades como o Patins In line, a Bike, o Skate e as Motos.

No primeiro final de semana ocorreram as competições de Motor X e Patinação In line Vertical. 21 atletas foram inscritos para a prova de in line, entre eles, os convidados japoneses e irmãos Eito e Takeshi Yasutoko, e o Suéco Sven Boekhorst de 25 anos. Entre os brasileiros, estavam presentes atletas do cenário vertical local, como Vinícios Rosa (Viba), Alberto Arakaki (Japa), Felipe de Oliveira, Fuzil, Cigano, Leonardo Valente, e também alguns “Streeteiros” como Fabio Enes e Caio Germano, que acabou se saindo bem no Half Pipe, ficando entre os 10 melhores. Muitas caras novas também surgiram neste evento, mostrando que a modalidade tem muito a crescer no país. Fabiola da Silva, contundida, não pode participar do evento, e atuou como comentarista.

A competição foi marcada por um grande número de atletas iniciantes no vert com pouca experiência, muita disputa de manobras parecidas entre os atletas nacionais de maior nível, e um show a parte dos japoneses. Os irmãos Yasutoko roubaram a cena com o seu radicalismo e carisma. As manobras impressionam até os atletas mais experientes, além de levarem o público ao delírio. Takeshi, de 19 anos venceu a competição com manobras que são sua marca registrada como o vicking flip e o doble flat spin de alleyop. Seu estilo com muita leveza e a amplitude dos aéreos são inquestionáveis, e por isso, é o melhor atleta de vertical do mundo no momento. A segunda colocação ficou com o irmão mais velho, Eito de 22 anos.

Muito técnico, durante sua segunda volta da final tentou por duas vezes a manobra que foi criada por ele: Back flip, 360, Back flip, mas errou nas duas tentativas. No aquecimento ele tinha acertado, e depois do término da competição, pediu para tentar novamente e realizou a manobra com êxito. O ginásio foi abaixo. Esta foi a primeira vez que a manobra foi realizada em um ambiente de competição. Anteriormente, ele só tinha completado em WoodWard, onde treinou exaustivamente nas piscinas de espuma e na famosa Rezi Ramp, e na Good Skate Park em Kobe, cidade natal dos patinadores, onde a família possui um skate park.

A surpresa foi a terceira colocação de Felipe de Oliveira, que foi bem em suas duas voltas e superou o suéco Sven, que tinha passado na sua frente na semi final, mas caiu na segunda volta da final, ficando na quarta colocação. Beethoven ficou com a quinta posição e Alberto Japa surpreendeu com a altura de seus aéreos e nos altos dos seus 33 anos ocupou a sexta colocação, provando que ainda está na ativa e em uma bela forma, mostrando novas manobras que antes não realizava.

Muita radicalidade, novas manobras, muita técnica, mas o que realmente marca é o carisma e a humildade dos dois irmãos. Atenderam a todos com muita atenção, imprensa e público. Comentaram que esta não foi a primeira vez que vieram ao Brasil. Em 1998 estiveram por aqui para participar de um evento em São Vicente.

Constantemente indagados por todos de o porque do nível técnico deles ser tão acima dos outros atletas, a resposta é simples: Eito comenta que desde que começou a patinar ele se vê como um atleta, chega a treinar até 10 horas por dia, diferente dos outros companheiros de esporte que andam mais por curtição. Essa foi a primeira competição do ano dos Yasutoko, que no final do mês seguem para a Coréia, para os Asian X Games.

Filhos de patinadores (os pais faziam patinação artística), os dois iniciaram na patinação por volta dos 4 anos de idade. Takeshi está no Guinness Book, como o atleta radical a se tornar profissional mais novo, com apenas 11 anos de idade. Há mais de uma década no cenário radical, o que fica como lição dos dois irmãos, que por sinal são muito companheiros, é que a dedicação total, aliada a muito apoio, incentivo e condições de treinamento não são nenhuma novidade, mas são a fórmula do sucesso. Com tudo isso, será que algum patinador um dia pode ultrapassar os dois?

Atletas realizados, TV e patrocinadores muito contentes com o resultado, público fascinado. Fica a esperança que eventos como esse se tornem uma rotina em nosso país.

Finalistas:
1.
Takeshi Yasutoko 295
2. Eito Yasutoko 249
3. Felipe de Oliveira “Felipinho” 240
4. Sven Boekhorst 222
4. Beethoven Pitanga 206
5. Alberto Arakaki “Japa” 205

 
 

Invert de Beethoven Pitanga

Medalha Pro Rad Inline Vert


Premiação dos vencedores do Inline Vert - Takeshi, Eito e Felipinho

Eito Yasutoko com Mirlene Picin